segunda-feira, 21 de junho de 2010

Mais uma vez, sou tua
Por entre lençóis suados
Gemidos almofadados
E banhados de carinho
De amor
De extase do teu beijo.

Sou tua!
Naquele mimo especial
Naquele olhar tão nosso
Naquela dança
Entre o teu corpo e o meu
Selvagem
Desinibida
Sentida
Como uma onda que se enrola na areia
E se entrega ao mar
...
Amo-te!

1 comentário:

Jonathan Constantino disse...

Olá querida,

Gostei de seu blog e, em particular deste poema. Nele, me atraíram, em especial, os versos:

Naquela dança
Entre o teu corpo e o meu
Selvagem
Desinibida
Sentida
Como uma onda que se enrola na areia
E se entrega ao mar

Lembraram-me um poema que fiz:

http://versosnalinhadotempo.wordpress.com/2011/06/30/elipticos/

Um beijo,

J.